Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Jacob do Bandolim’


Caros amigos me permitam fugir um pouco (mas nem tanto) da linha que estamos seguindo. O CD que estou postando merece! Quando estudei na Escola Portátil de Música, no início deste ano, comecei a conhecer muito mais sobre Choro e os ritmos afins. Lá, conheci grandes mestres da cena atual do Choro brasileiro, basta acessar o site (http://www.escolaportatil.com.br/) que vocês poderão conhecer um pouco mais do trabalho feito por eles. Na escola, ouvi vários desses mestres falarem – Quem gosta de choro e quer aprender precisa ouvir, e muito, o ‘Vibrações’ do Jacob do Bandolim. – Agora ele está aqui disponível para que seus ouvidos se deliciem.

Que o Jacob foi genial, não é novidade. Mas no ‘Jacob e Épocas de Ouro – Vibrações’, gravado em 1967 pela RCA Camden, o capricho foi especial, considerado por críticos e especialistas a sua principal obra e com certeza um dos melhores instrumentais de todos os tempos. Não podemos deixar de ressaltar o ‘Épocas de Ouro’, conjunto que o acompanhou Jacob por quase toda sua carreira (CONJUNTO, pois Jacob não gostava que pusessem o nome de ‘Regionais’ nos grupos de choro, como era o costume na época), era formado por Dino 7 Cordas, César Faria e Carlos Leite (violões), Jonas Silva (cavaquinho) e Gilberto D’ávilla (pandeiro).

Jacob Pick Bittencourt nasceu no dia 14 de fevereiro de 1918, no Rio de Janeiro. O seu primeiro instrumento foi o violino, presente de sua mãe. O então rapaz não se adaptou, e logo depois ganhou um bandolim. Não teve professor, sempre foi autodidata, no início tentava reproduzir no bandolim melodias de músicas cantaroladas por sua mãe ou por pessoas que passavam na rua em frente a sua janela. Mais tarde o bandolinista viria a se aprofundar nos estudos de teoria musical com a ajuda de Chiquinho do Acordeom. Em carta para Radamés Gnatalli, Jacob confessou: “(…) valeu estudar e ficar dentro de casa o Carnaval de 64, devorando e autopsiando os mínimos detalhes da obra…” (a obra a qual se refere é ‘Retratos’, escrita por Radamés que a dedicou a Jacob. Uma suíte para bandolim, orquestra e conjunto regional).

O instrumentista participava do Conselho de Música Popular do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, e tinha um dos poucos programas especializados em choro e samba no rádio brasileiro. Jacob e seus Discos de Ouro, que ia sempre ao ar por volta das 23h30 na Rádio Nacional. Era também Escrevente Juramentado da Justiça do Rio de Janeiro concursado. Jacob faleceu no dia 13 de agosto de 1969 após o seu terceiro infarto nos braços da sua esposa Adylia, no quintal de casa.

Jacob do Bandolim sempre perseguiu a perfeição nas execuções, criou uma linguagem brasileira para o instrumento, que acabou por fazer parte do seu nome. Como poucos, ele conseguiu com seu instrumento, transparecer sentimentos a tal ponto de não se precisar utilizar uma palavra se quer.

Abraços amigos!

Aproveitem!

Baixe Aqui!

Jacob do Bandolim e Épocas de Ouro – Vibrações (1967)

1 – Vibrações (Jacob Bittencourt)
2 – Receita de Samba (Jacob Bittencourt)
3 – Ingênuo (Benedito Lacerda, Pixinguinha)
4 – Pérolas (Jacob Bittencourt)
5 – Assim mesmo (Luis Americo)
6 – Fidalga (Ernesto Nazareth)
7 – Lamento (Pixinguinha)
8 – Murmurando (Fon)
9 – Cadência (Joventino Maciel)
10 – Floraux (Ernesto Nazareth)
11 – Brajeiro (Ernesto Nazareth)
12 – Vésper (Ernesto Nazareth)

Felipe Barros.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: